Gramado ganhou uma novidade. Trata-se do Espaço de Arte Indígena. Instalado junto ao Lago Negro, tradicional ponto turístico da cidade, e com 12 lojas, o local é destinado para a venda de artesanato produzido por indígenas. Cinco tribos locais cadastradas na prefeitura têm liberação para utilizar o local. Outros indígenas que queiram aproveitar a estrutura terão de negociar com uma comissão. A prefeitura e a Funai vão fiscalizar.

Segundo a secretária Municipal de Cultura, Michele Scariot, a principal preocupação é para que eles vendam exclusivamente produtos de artesanato indígena. Uma lei municipal prevê que itens personalizados pela comunidade indígena também possa ser comercializados. Por outro lado, importados e industrializados não podem ser vendidos. Com telhado de capim e construído com paredes de pedra de areia, o ponto faz referência à cultura indígena.